Resumo das últimas semanas.

Caso você acompanhe O Bardo na Taverna, deve ter percebido que estou demorando mais que o normal para postar capítulos novos. Pois é, bem sei disso. Mas garanto que não desisti do nosso Lewrence de Pontavelha, e já estou terminando a revisão do Capítulo 6, a qual logo postarei.

Eu escrevendo As Crônicas Eternas

Tive motivo para demorar tanto a postar e “sumir” do blog: As Crônicas EternasPois é, essas semanas foram muito importantes para eu chegar (finalmente) às conclusões de meu principal projeto atual: o primeiro da série, o livro A Cor da Morte. 

Essa semana coloquei o ponto final no meu sumário narrativo, totalizando uma soma de 85 capítulos de muito suor e amor dedicado aos meus amados personagens, Byron, Adrik, Troy, Amanda, Loreley, Layne, Meleena, e todos aqueles que estão mais presentes no meu coração do que muitas pessoas de carne e osso.

Estou escrevendo também um conto chamado O Sono da Alvorada, o qual participarei de um concurso literário, e também muita coisa da cultura de Mystral e toda sua grandiosidade. Estou também desenhando os mapas desse mundo enorme, decidindo todos os pontos importantes e também os menos importantes.

Enfim, estou em uma correria criativa na qual jamais me imaginei. E isso é maravilhoso! Em breve dividirei muitas coisas além de textos como esse. Em breve terei uma página em meu blog voltado para a ambientação de Mystral, com seus mapas, descrições, etc.

Quero também agradecer a todos que me incentivam nesse meu trajeto; todos que me mandam mensagem no meu Facebook, dizendo que estão ansiosos para ler mais material, todos que acreditam no meu talento e reconhecem meu suor. Valeu mesmo! 😀

Até o próximo post!

Sobre ‘O Bardo na Taverna’

Vocês devem saber que escrevo semanalmente um livro-série chamado O Bardo na Tavernanão? Pois é, decidi postar aqui de onde surgiu essa estória. Vamos lá!

O Bardo na TavernaSempre fui apaixonado pela ideia de escrever contos que passassem em um tempo anterior daquele que se passa As Crônicas Eternas. Eu tinha esse personagem, Lewrence de Pontavelha, há muito tempo em minha mente, conseguia até sentir o cheiro de seus cabelos e ouvir o timbre de sua voz. Mas ele ficou muito tempo aqui, na minha cabeça, até que eu encontrei o lugar certo para dar vida ao Bardo: uma estória que se passa 160 anos antes do livro que estou escrevendo, A Cor da Morte. 

A trama começa quando Lewrence está em uma taverna, calmamente bebendo sua cerveja, e então um homem misterioso, conhecido apenas por ser um assassino cruel, escolhe o Bardo para um joguinho no mínimo doentio: ele propõe que Lewrence lhe conte uma história, e ameaça tirar sua vida, caso as palavras do Bardo não lhe agrade. Lewrence então, sendo um rapaz bastante esperto, escolhe a melhor história que conhece: Uma história de Necromantes, homens que são capazes de dobrar a morte sobre sua vontade.

É uma saga que cresce semanalmente, por isso é preciso se manter em dia com o Blog e com minha página no Facebook, pois lá posto sempre as novidades do que vou escrevendo.

Clique AQUI para ler o Bardo na Taverna ou AQUI para curtir minha página. 🙂